• Rua 15C, Qd. 102, Lt. 30 - Setor Garavelo - Aparecida de Goiânia/GO
  • clinica.alcance@hotmail.com
  • Atendimento:

    Segundas as Sextas-feiras
    Das 07:30h às 17:30 horas
  • Telefone:

    (62) 3097-5996


Como reconhecer um infarto cardíaco

Nem todos os ataques cardíacos começam com uma dor súbita no peito. Os sintomas podem ser mais leves e menos óbvios. Muitas pessoas pensam, por exemplo, estar com problemas digestivos. E, por não ter certeza do que está errado, acabam esperando demais para pedir ajuda.

Por isso, é importante estar atento. Saber reconhecer os sinais de infarto cardíaco pode salvar a sua vida ou a de uma pessoa próxima. Os indícios são:

Pressão no peito - A maioria dos ataques cardíacos envolve dor intensa no centro do peito que dura mais do que alguns minutos, ou que vai e volta;

Dor ou desconforto em membros superiores - pode ser em um ou ambos os braços, costas, estômago, pescoço ou mandíbula;
Falta de ar - pode vir acompanhada ou não de dor no peito;
Outros sintomas - incluem tontura, suor, indigestão ou náusea.

O que fazer em caso de infarto cardíaco

Ao aparecem os primeiros sintomas, chame socorro ou dirija-se a um hospital imediatamente. Quanto maior a demora, maior o risco. Se você está ajudando alguém com suspeita de infarto, tome algumas precauções enquanto espera por ajuda médica:

Afrouxe as roupas da vítima e impeça que ela faça esforços;
Não ofereça nada de comer ou beber e nem calmantes;
Se a pessoa desmaiar, veja sua respiração e seu pulso. Na ausência desses sinais vitais, é preciso começar imediatamente as manobras de ressuscitação cardiopulmonar.

Caso a vítima seja você, o indicado a fazer é:

Procurar ajuda para o rápido transporte a um hospital. Não dirija.

Fatores de risco

Um ataque cardíaco acontece quando parte do músculo do coração deixa de receber sangue por causa de algum bloqueio. Homens com mais de 45 anos e mulheres com mais de 55 estão mais sujeitos a enfartar. Além da idade, há outros fatores de risco:

  • Tabagismo;
  • Colesterol aumentado;
  • Diabetes mellitus;
  • Hipertensão arterial;
  • Obesidade;
  • Sedentarismo;
  • Estresse e depressão.

 

  • Autor: Clinica Alcance